NOTÍCIAS
Política
08/06/2021

CPI da Covid Queiroga muda versões e tenta blindar Bolsonaro no 2º depoimento, dizem senadores

Compartilhar:
Foto: Reprodução

Ministro da Saúde disse que não é

Após oito horas de depoimento do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, à CPI da Covid nesta terça-feira (8), senadores apontaram.

 

Inflexão na posição do ministro sobre o uso da cloroquina para o combate ao coronavírus;


Mudança de versão em relação à nomeação da médica Luana Araújo como secretária;

 

Veja também

 

'Eu errei', afirma Bolsonaro sobre dados de relatório do TCU

 

Bolsonaro marca reunião com parlamentares para discutir filiação ao Patriota


Falta de autonomia à frente do Ministério da Saúde;


Tentativa de "blindar" o presidente Jair Bolsonaro, se esquivando de criticá-lo por contrariar recomendações da própria pasta em relação a isolamento social e uso de máscara.


O ministro da Saúde depôs pela segunda vez à CPI. Ele deu um primeiro depoimento à comissão em 6 de maio. Mas foi novamente convocado porque as declarações que deu foram consideradas pouco assertivas e contraditórias.

 

Senadores também avaliaram que fatos novos justificavam um novo depoimento, entre os quais a realização da Copa América no Brasil e o veto à nomeação de Luana Araújo como secretária de Enfrentamento à Covid-19.

 

Cloroquina

 

Os principais estudos científicos que derrubaram a cloroquina | VEJA

 

Os congressistas ainda queriam insistir na avaliação de Queiroga sobre o uso da cloroquina no tratamento à Covid-19, cuja ineficácia já foi cientificamente comprovada.

 

No depoimento em maio, o ministro disse que não iria se manifestar a respeito pelo fato de o uso do medicamento estar sob análise da Conitec (Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde), vinculada ao Ministério da Saúde.

 

Nesta terça, porém, Queiroga admitiu que a cloroquina não teve a eficácia cientificamente comprovada no combate ao coronavírus.

 

“Essas medicações não têm eficácia comprovada — não têm eficácia comprovada”, reiterou.


“Como médico, eu entendo que essas discussões são laterais e nada contribuem para pôr fim ao caráter pandêmico dessa doença. O que vai pôr fim ao caráter pandêmico dessa doença é ampliar a campanha de vacinação”, afirmou, referindo-se aos remédios ivermectina e cloroquina, usados como vermífugo e antimalárico, mas defendidos pelo presidente Jair Bolsonaro no combate à Covid-19.

 

Queiroga também disse que os medicamentos dividem a classe médica entre as sociedades científicas, às quais ele se diz vinculado, e médicos que estão na linha de frente e relatam casos de sucesso com o tratamento.

 

“A mim, como ministro da Saúde, cabe procurar harmonizar esse contexto”, disse.

 

Apesar da mudança no tom, o relator da CPI, senador Renan Calheiros (MDB-AL), disse que o ministro da Saúde "inaugurou uma nova etapa do negacionismo: o neonegacionismo".

 

"Finalmente, admitiu a ineficácia da cloroquina, mas continua sem coragem de tirá-la das normas do Ministério da Saúde”, afirmou Calheiros.

 

Bolsonaro: 'Comigo ele usa máscara'

 

Marcelo Queiroga promete “seguir a ciência” e promover “grande diálogo  nacional” | Brasil | Valor Econômico

 

Durante a audiência, foi apresentada uma sequência de vídeos do presidente Bolsonaro provocando aglomerações e aparecendo em público sem usar máscara.

 

Inicialmente, Queiroga disse que Bolsonaro não conversou com ele sobre essas atitudes.

 

“Eu sou ministro da Saúde, não sou um censor do presidente da República. Eu faço parte de um governo. O presidente da República não é julgado pelo ministro da Saúde. As recomendações sanitárias estão postas. Cabe a todos aderir a essas recomendações”, afirmou.

 

Depois, Queiroga disse que é “evidente” que orienta o presidente, mas que o comportamento dele é um “ato individual”.

 

"As imagens falam por si só. Eu estou aqui como ministro da Saúde para ajudar o meu país. É esse o meu objetivo. E não vou fazer juízo de valor a respeito da conduta do presidente da República”, reforçou.

 

O relator Renan Calheiros perguntou qual é a resposta apresentada por Bolsonaro quando o ministro trata desse assunto com ele.

 

“Quando ele está comigo, na grande maioria das vezes, ele usa máscara”, afirmou o ministro.

 

Presidente da CPI, o senador Omar Aziz disse que Queiroga estava assumindo um papel “constrangedor”.

 

“É constrangedor o senhor, como ministro, orientar a população toda a ter os cuidados necessários, e o chefe maior da nação, que deveria ouvir o seu ministro de Saúde, não ouve. Então, é isto que nós queremos saber: como é que pode se fazer uma política, dentro do Ministério da Saúde, se a principal personalidade do Brasil não o ouve? Como é que o senhor pode convencer os outros se não consegue convencer a pessoa que teria de ser convencida primeiramente porque o nomeou?”, questionou Aziz.

 

Queiroga voltou a dizer que procura fazer a sua parte e que não iria fazer juízo de valor sobre a conduta do presidente.

 

Luana Araújo e autonomia

 

Autonomia médica não está acima da ciência', diz Luana Araújo


Queiroga também comentou sobre a desistência de nomeação da médica Luana Araújo para a recém-criada Secretaria de Enfrentamento à Covid-19.

 

Segundo o ministro, a decisão de não nomeá-la partiu dele – posição diferente da relatada pela infectologista e pelo próprio ministro há duas semanas.

 

Em depoimento à CPI na semana passada, Luana disse que Queiroga havia lhe comunicado, com “pesar”, que seu nome não seria aprovado no governo, por isso ele não a efetivaria.

 

Queiroga afirmou no último dia 26 que para uma pessoa ser efetivada são necessárias a validação "técnica" e a "política".

 

Nesta terça, porém, ele apresentou uma nova versão

 

Compare o que disseram Queiroga e Luana Araújo sobre veto ao nome dela

 

Copa América

 

Aliados a Bolsonaro, CBF e Conmebol temem política sobre Copa América

 Fotos: Reproduções

 

À CPI, Queiroga defendeu a realização da Copa América no Brasil e afirmou que há segurança para o evento caso os protocolos sejam seguidos.

 

Citou, entre esses protocolos, a testagem de estrangeiros que vierem ao país, o isolamento de atletas em hotéis, o uso de equipamentos de proteção e a manutenção dos estádios sem público.

 

Segundo ele, o torneio não acarretará “risco adicional” ao país porque não é um "evento de massa".

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no FacebookTwitter e no Instagram.

Entre no nosso Grupo de WhatApp.  
 

“A Copa América é um evento pequeno, com um número pequeno de pessoas, e não é uma Olimpíada. Os protocolos apresentados ao Ministério da Saúde são seguros, permitem dizer que, se aquele protocolo for cumprido, não teremos riscos adicionais para os jogadores que participam dessa competição”, afirmou.

 

Fonte: G1

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

Mensagem:

LEIA MAIS

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Copyright © 2013 - 2021. Portal do Zacarias - Todos os direitos reservados.